Planejamento Previdenciário - Como Funciona?



  • Postado em: 28/01/2021 às 12:00
  • Autor: Bruno Delomodarme

Design-sem-nome-33

Uma aposentadoria tranquila e sem dores de cabeça é um direito seu.

Com as constantes alterações na forma do sistema previdenciário brasileiro, a aposentadoria tornou-se uma coisa complexa.

A reforma da previdência veio e alterou as regras pros benefícios de aposentadoria. Quem estava quase se aposentando, também foi alvo dessa reforma.

 

O que é o Planejamento Previdenciário ?

 

O Planejamento Previdenciário organiza e prepara sua pré aposentadoria visando que o trabalhador se aposente da forma mais rápida e com o melhor benefício.

É um estudo que aponta quanto tempo uma pessoa ainda precisa contribuir para os cofres da previdência para finalmente ter direito a um benefício.

É sabido que, após o saque da primeira parcela do benefício, o segurado não pode voltar atrás e desistir. Por isso é importante planejar a aposentadoria, para garantir que, no futuro, terá feito a melhor escolha financeira para não se arrepender para sempre.

Afinal, o maior objetivo de quem está em vias de se aposentar é manter sua aposentadoria o mais próximo do salário na ativa.

Imagina não ter dinheiro para pagar os financiamentos de carro ou de casa, mensalidades da escola do seu filho, diminuir o padrão de vida e ter que cortar inúmeros outros gastos.

Isto certamente vai de encontro com a idéia de ter um merecido descanso após décadas e décadas de trabalho.

Não é o cenário ideal.

Mas...

Existe uma solução para esse problema.

É possível, enquanto você ainda não se aposentou, aumentar ou escolher um melhor valor no seu benefício futuro, seja ele daqui a 2, 5, 10, 15 ou até 30 anos.

Outra possibilidade que pode ocorrer também é que, por desconhecimento, o segurado contribui com um valor a mais que deveria. Podemos chamar isto de dinheiro jogado fora.

 

Regras Antigas ou Novas ?

 

A reforma da previdência foi promulgada em novembro de 2019. Em um primeiro momento temos a impressão que agora estamos todos sujeitos as novas regras de aposentadoria, sabidamente piores em termos financeiros.

Ocorre que nem por isso quer dizer que o segurado terá que, obrigatoriamente, se aposentar nas regras novas.

Muitas vezes, o planejamento visualiza a possibilidade de se aposentar pelas regras antigas. Isso é possível devido ao direito adquirido

O reconhecimento de um período especial (insalubre) ou tempo rural, por exemplo, pode abrir a possibilidade de se aposentar pelas regras antigas, quando, na maioria das vezes, os valores são melhores.

 

idoso-escrevendo

 

Nem sempre a regra de transição mais próxima vale a pena.

 

Suponha que o segurado verifique que pode se aposentar daqui a 2 meses com um valor mensal de R$ 2.000,00.

Porém, depois de realizado o planejamento, foi verificado que uma outra regra de transição permite que o segurado se aposente com R$ 3.500,00 daqui a 6 meses.

No caso, qual compensa mais ?

É claro que todo segurado tem direito a escolher o melhor benefício que bem entender, porém, no exemplo acima, compensa, e muito, esperar mais alguns meses para ter um aumento de 75% no benefício.

 

Tempo Especial vira o jogo

 

É fato que a aposentadoria especial foi drasticamente afetada com a reforma da previdência. Entretanto, o segurado que trabalhou em regime insalubre, também conhecido como tempo especial, pode aumentar o seu tempo de contribuição e, muitas vezes, o mesmo já tem direito a se aposentar e nem sabe.

No vídeo abaixo exemplificamos o rol de opções que um segurado tem sendo que o mesmo tinha 34 anos de tempo de contribuição sendo estes, 22 de tempo especial.

 

Quanto que devo contribuir a mais ?

 

É fato que surgem muitas dúvidas na hora do autônomo ou do segurado que está fora do mercado de trabalho continuar contribuindo ao INSS. Com a reforma, é sabido que agora é levado em consideração 100% das contribuições do segurado para cálculo da aposentadoria.

Mas se o segurado almeja uma aposentadoria de R$ 4.000,00, por exemplo, como saber com quanto ele deverá contribuir para chegar futuramente a esse valor ? Deve se contribuir com o teto? Ou pode ser um valor menor?

Não há uma resposta universal para isso. Tudo depedenderá do seu histórico de contribuições e também as futuras (que você pode planejar).

Muitas vezes, contribuir com o teto é desnecessário para chegar ao valor almejado. No vídeo abaixo, foi feito o planejamento de uma segurada que faltava aproximadamente 10 anos para se aposentar, mas a mesma tinha dúvidas se deveria continuar contribuindo com o teto.

 

Como o Planejamento é feito ?

 

: É feita a análise de toda a vida laborativa do segurado, realizando a comparação com o banco de dados do INSS, feita a análise vínculo por vínculo, conferindo a remuneração por remuneração.

: É verificado eventuais pendências que precisam ser sanadas e  como o segurado pode resolvê-las, evitando um futuro indeferimento de aposentadoria.

: Realiza-se simulações e cálculos previdenciários para verificar em qual data o segurado poderá se aposentar, já com as novas regras da reforma da previdência e todas as regras de transição, juntamente com o valor do benefício, assim o segurado pode escolher qual a melhor opção ao seu caso.

 

Vantagens do Planejamento

 

Aposente no momento certo.

Imagina você verificar que já tinha atingido os requisitos para uma aposentadoria e nem sabia? Pois é, isso evita o prejuízo de se aposentar depois do tempo, reduzindo perdas financeiras sem necessidade.

E também, de se aposentar antes do tempo, evitando o protocolo de pedidos no INSS sem ter atingido o prazo exigido em lei.

A resposta do INSS costuma demorar, em média, 6 meses. Se no fim desse prazo o INSS negou seu benefício, você terá perdido esse tempo em contribuição e terá que contribuir por mais 6 meses, tendo que pagar juros e correção monetária.

 

Contribua com o valor correto. Nem mais, nem menos.

Outra vantagem importante atrelada ao planejamento previdenciário é a garantia de contribuir com o valor correto.

O cálculo da aposentadoria é feito por meio de uma média, por isso, muitas vezes, não haverá necessidade de contribuir com o teto durante toda a vida como trabalhador.

Com o planejamento, é possível fazer o cálculo da média, chegando ao valor adequado para se contribuir.

 

Apresentação de todas as regras de transição juntamente com o valor da aposentadoria

Como se sabe, a reforma da previdência trouxe consigo as mais diversas regras de transição. No planejamento, é apresentado todas as regras de transição possíveis com a data de preenchimento dos requisitos juntamente com os valores do benefício.

Ou seja, nem sempre a regra de transição mais próxima é a mais vantajosa financeiramente para o segurado.

Tal possibilidade permite que o trabalhador escolha a melhor opção possível para o seu caso

 

Receba o melhor benefício possível para você.

Por meio do planejamento previdenciário, é possível avaliar cada caso com mais atenção, coletando os dados e documentos do período em que o trabalhador esteve ativo.

Além de verificar qual é o melhor tipo de aposentadoria que pode ser aplicado para o seu caso, ainda mais agora com a vigência da Reforma da Previdência

 

Aposentadoria Especial

Além disso, o planejamento permite a realização de cálculos mais específicos, como aqueles que envolvem o direito à aposentadoria especial, na qual a contagem de tempo é feita de uma forma diferente.

Como citado, esse estudo tem o objetivo de conseguir o melhor benefício com base na análise individual de cada caso.

Portanto, os cálculos são minuciosos e levam em consideração informações que não são consideradas por simuladores online

 

Investigação de possibilidades

Tendo em mãos o diagnóstico de todo o histórico de contribuição perante a previdência, realizado as devidas correções, o valor do benefício e a idade necessária para se aposentar, o segurado terá condições de avaliar diferentes possibilidades de recebimento do benefício. Um exemplo é escolher a regra de transição que mais se aplica ao caso.

 

Atendimento pós planejamento

Após o planejamento ser entregue, é aberto um prazo de 7 dias para eventuais dúvidas a serem esclarecidas pelo segurado.

 

Quando vale a pena fazer o Planejamento ?

 

Fazer o planejamento é sair na frente. Planejar sua aposentadoria de forma preventiva, visando evitar problemas futuros e encontrando soluções pro caso do segurado, é a concessão certa de sua aposentadoria.

 

Quem é o mais indicado a fazer o Planejamento?

 

O profissional mais indicado é aquele especialista em Direito Previdenciário, principalmente aquele que tem conhecimento em cálculos previdenciários.

A vantagem, é que você terá em mãos informações seguras de que estará optando pela melhor escolha na sua aposentadoria.

Também estará evitando o risco de se pagar por contribuições a mais ou desnecessárias.

Ter a melhor aposentadoria é ser justo consigo mesmo, afinal, tanto tempo de trabalho deve ser recompensado, mantendo o valor do benefício o mais próximo de quando se está na ativa.

Segurança, conforto e tranquilidade é o que deve ser visto com a realização do planejamento.

 

Design-sem-nome-36

 

Conclusão

 

Realizar o planejamento é ter a certeza de que você estará escolhendo o melhor benefício possível. Não é raro casos de segurados que, quando dão entrada na sua aposentadoria, enfrentam problemas como documentação incorreta, indeferimento de benefício, não reconhecimento de tempo especial, e valor do benefício muito baixo em relação ao seu salário da ativa.

Pensar antes na sua aposentadoria e planejá-la, pode ser a diferença entre ter um merecido descanso após décadas e décadas de trabalho.

Conheça seus direitos e vá pelo caminho ideal fazendo um planejamento previdenciário e se aposente da melhor forma possível.

Mais notícias

2021 - www.bdadvocacia.com.br - Todos os direitos reservados.